Nossa Anadia, Nossa Notícia.

O conteúdo que Anadia merece.

Mais Saúde

PARALISIA FACIAL - Fique atento aos sintomas! Quinta-Feira, 14 de Janeiro de 2016

A paralisia facial é uma alteração neurológica, resultante de uma paresia ou paralisia, quase sempre passageira, que compromete parte ou todos os músculos de um lado da face, deixando o indivíduo com metade do rosto sem expressão.

A paralisia facial acontece de forma súbita, sendo seu acometimento muscular parcial ou completo em uma hemiface. É classificada em central ou periférica. Chamamos de Paralisia Central, quando o comprometimento ocorrer no trajeto do nervo facial ainda dentro do cérebro, como nos casos de Acidente Vascular Cerebral. O contrário se aplica aos casos de Paralisia Facial Periférico, pois o acometimento se dá fora do cérebro, ou seja, no trajeto do nervo entre o cérebro o músculo.

 

CAUSAS:

·         Alteração brusca de temperatura;

·         Estresse;

·         Traumatismo;

·         Mulheres grávidas, especialmente durante o terceiro trimestre, e mulheres que acabaram de dar à luz são mais suscetíveis;

·         Infecções virais como: herpes simplex; herpes zóster; Citomegalovírus ou outros;

·         Pessoas que já tiveram paralisias anteriores;

·         Raramente pode ser consequência de outras doenças.

 

SINTOMAS:

Além dos incômodos e prejuízo estético causado pela paralisia facial, ela pode gerar alguns sintomas adicionais como:

  • Boca torta, que é mais evidente quando o indivíduo sorri;
  • Secura na boca e olhos;
  • Lacrimejamento;
  • Falta de expressão num dos lados da face;
  • Incapacidade de fechar completamente um dos olhos, de levantar uma das sobrancelhas e de franzir a testa;
  • Dor na face;
  •  Dor de cabeça;
  • Dor na mandíbula;
  • Aumento da sensibilidade do som num dos ouvidos;
  • Dificuldades para assoviar ou para reter a saliva dentro da boca.

Estes sintomas tendem a regredir em 3 semanas com tratamento adequado.

 

DIAGNÓSTICO:

O diagnóstico da paralisia facial é feito através da observação do indivíduo e na maioria das vezes não é necessário realizar exames complementares. Contudo, para certificar-se de que se trata somente de uma paralisia facial pode-se recorrer:

  • Ressonância Magnética;
  •  Eletromiografia, que checa como estão os músculos e os nervos que os controlam;
  • Exames de sangue que ajudem a localizar a causa da paralisia.

 

TRATAMENTO:

Normalmente os casos de paralisia facial devem ser avaliados por um neurologista, mas, para lidar com a sintomatologia, pode ser necessário também a ajuda de um otorrinolaringologista, fonoaudiólogo e fisioterapia.

A Paralisia Facial geralmente tem boa evolução mesmo sem tratamento algum. Entretanto, estudos apontam que determinadas ações conseguem acelerar a recuperação do paciente, como o uso de alguns medicamentos, uso de colírios, e fisioterapia.

O tratamento medicamentoso da Paralisia Facial inclui o uso de corticosteroides (prednisona) e antivirais, como o Aciclovir.

O uso de colírios ou de lágrimas artificiais é essencial para manter o olho afetado devidamente hidratado e diminuir o risco de lesões na córnea.

Na fisioterapia serão realizados exercícios específicos para recuperação dos movimentos faciais, sendo muito importante a realização destes várias vezes ao dia, todos os dias, para potencializar o tratamento.

Nem todos os indivíduos acometidos pela paralisia irão ficar curados da doença, e os que ficarão curados, devem alcançar a cura em aproximadamente 2 meses de tratamentos diários. Os indivíduo que não tiverem remissão dos sintomas em até 3 semanas poderão ficar com sequelas permanentes. 




// Deixe seu comentário

Loanne Vasconcelos


Sobre o autor
Fisioterapeuta, Pós-Graduada em Saúde Pública, Pós-Graduada em Traumato-Ortopedia, Coordenadora da Unidade de Fisioterapia do Instituto Galba Novaes de Castro.