Nossa Anadia, Nossa Notícia.

O conteúdo que Anadia merece.

Atualidades,Políticas Públicas e Concursos

O Segredo dos Concursos Públicos Domingo, 28 de Dezembro de 2014

(Uncisal, Ceal, Dataprev, Correios, Banco do Brasil, Petrobrás, Agricultura)

Eu diria que as bancas dos diferentes concursos mantêm uma unidade, até, porque, com muita lógica! Se você observa os maiores concursos de diferentes órgãos com diferentes bancas examinadoras, você vai perceber que em língua portuguesa os pontos priorizados são sempre os mesmos, uma banca gosta mais de determinados assuntos, outra organizadora costuma abordar outros conteúdos, uma é mais rígida em tal cobrança, aquela exige menos em determinado assunto... Mas os pontos cobrados em termos de língua são os mesmos, com muita propriedade eu lhes digo que ninguém pode julgar que tem um domínio razoável da sua língua, se não tiver um domínio admissível sobre regência, concordância, pontuação e ortografia.

Além de que, as bancas priorizam estes pontos, você não encontra uma prova que seja que não cobre concordância, regência, crase, ou que não cobre pontuação. Em síntese, são considerados pontos mais importantes, com muita razão. Então, vamos trabalhar estes pontos que são realmente importantes para vocês, que vão realmente fazer a diferença na hora da prova. Eu digo em relação à interpretação de texto que é a hora que devemos torcer para que a banca seja boazinha, entre aspas, escolhendo um texto interessante de um assunto atual, algo que nos dê vontade de ler na hora da prova e que a interpretação se torne mais objetiva.

Digo isso porque na interpretação a banca tem a possibilidade de colocar a “casca de banana” muitas vezes, você lê uma ou duas alternativas e já descarta, e fica em dúvida entre as outras três, essa aqui não está errada, mas se eu pensar com muito cuidado essa também não é impossível, e essa aqui... Enfim! Então gente, vamos ver esse conteúdo teórico da gramática para que você consiga fazer sua prova com segurança.

O primeiro passo que eu trouxe é a ortografia, eu observo uma coisa, não sei se já aconteceu com você alguma vez '.'  Muitas vezes numa prova considerada bastante seletiva, não muito fácil, os alunos resolvem as questões da prova, eu observo que o aluno gabarita as questões mais difíceis.Vamos dizer, nossa que questão pesada de pontuação! Que questão pesada de regência! Que questão pesada de concordância! Ele me cobrou todas as regras que poderia cobrar sobre isso numa questão só! E o aluno gabarita as questões julgadas mais difíceis.

E continuando eu digo assim! Qual a questão que você errou? Aí eu brinco, perguntando novamente, qual a questão que você errou? Aí o aluno responde até com vergonha, falando baixinho, de ‘ortografia’. Ele tem vergonha de dizer que acertou as questões mais difíceis e errou justamente as de ortografia. Realmente, mas é isso mesmo! A nossa língua é assim, ela é muito rica, nós temos diferentes fonemas representados por diferentes letras, sino é com ‘S’ cinema é com ‘C’, o som é igual o fonema é igual, e aí então existe todo um histórico da palavra que é a etimologia, não dá para reclamar!

Então, primeiro. Quanto mais leitura melhor! Óbvio! O aluno que tem o hábito da leitura escreve melhor, comete menos erros de troca de letras, pontua melhor, usa a concordância de forma mais adequada.Tudo flui melhor se o aluno tem o hábito da leitura. Quando falo de hábito de leitura eu não estou falando de grandes clássicos da literatura, claro que se você gosta leia! Leia porque sem dúvida só vai lhe fazer bem, mas estou falando em termos de jornais, boas revistas, digo boas, pois existem revistas por aí que nem procurem ler! Pessoal! O aluno que faz disso um hábito já está dois passos à frente, em tudo, porque ele vai escrever melhor, vai falar melhor, vai ter conhecimento geral de atualidade na hora de redigir um texto, maior fluência e mais facilidade para colocar as ideias no papel. Então se você não tem esse hábito, procure-o ! Nem que sejam dez ou quinze minutinhos por dia.

Bem, existem coisas na nossa língua que você não encontra explicação, vou dar até um exemplo, o nome estender é com ‘S’, pois é! Se eu pergunto a você qual é o substantivo derivado de estender (verbo), você irá me responder estensão (incorretamente) porque a palavra primitiva é escrita com ‘S’. E você ainda iria, hipoteticamente, perguntar se é mesmo com ‘s’? Eu lhe responderia, estender é com ‘S’ e extensão é com ‘X’. Exatamente! Você procura na gramática, num livro didático, mas não encontra. Difícil encontrar uma explicação para isso. Atribuímos isto na verdade à origem da palavra, ela vem do latim extendere ou lat extensione. Porque houve isso? Dizemos que isso foi um desvio, um tropeço mesmo na hora de trazer do latim.

Nessa situação, existem coisas que não há explicação na língua portuguesa, então já que é um assunto tão rico e traz tantas dúvidas para o aluno, e existem algumas regrinhas, vamos procurar decorar, porque ajudam na hora da prova. Digamos que você ficou com dúvida na história da transgressão, aí você irá parar e pensar, espera aí! Transgressão vem do verbo transgredir! Pois é, existem umas regrinhas pequenas, regrinhas bobas, mas você vai lembrar na prova. Vou dizê-la agora, quando o verbo apresenta os pedacinhos, ced, gred, mit, prim, você vai fazer uma musiquinha e vai começar a dançar, ced, gred, mit, prim, mais rápido, ced, gred, mit, prim, etc.

Quando existir esses trechinhos no radical do verbo, o substantivo derivado desse mesmo verbo se escreve com dois ‘esses’ (ss), você vai decorar! Portanto te darei um exemplo claro, preste atenção na palavra TRANSGREDIR, aí você vai lembrar-se da regrinha, ced, gred, mit, prim,o substantivo derivado dele vem com dois esses (ss). Então gente! Se já existem regrinhas, vamos decorá-las, porque ajuda muito. Mas eu dou um conselho, se você não sabe as regrinhas de cabeça e for pegar um livro ou apostila, ou vai acompanhar meus artigos, não precisa decorar as regras todas num dia só! Decore uma ou duas por dia, você vai ver que conseguiu decorar muitas em apenas uma semana, mas não precisa ficar batendo a cabeça dizendo que vai decorá-las todas hoje. Passar em concursos é algo gradual, se você estudar e não passar neste, o que você estudou lhe servirá para o próximo. Não desista nunca! Este é o segredo.




// Deixe seu comentário

Laelson Vilela


Sobre o autor
Graduado em Gestão Pública, bacharelando em Direito na Universidade Federal de Alagoas. Colaborador no Instituto de Computação da mesma Universidade.